Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 21 de julho de 2013

Uma cestinha de amor!

Nunca de mão vazia,
Sempre com uma cestinha,
Colhendo pequenas palavras,
As que trazes harmonia,
Esta é minha via,
Seguindo a viagem,
Com a virgem,
Com Maria e com José,
Seja Antonio ou Zezé,
Seja com a cor da maré,
Seja com o azul da fé,
Vou caminhando a pé,
Ou vou nas asas da doçura,
Dos meus amigos que quer,
Com poesia a vida,
Vai sorrindo e voando,
Nos desejos bem me quer,
E assim vou recolhendo,
Amor para o que vier!

sábado, 20 de julho de 2013

Um ser amigo!

Amigo escuta  lamentos,
Sorrir de nada e de tudo,
 Faz brincadeira e malicia,
Brinda a vida faz confissões,
Divide as alegrias,
Se veste de fantasia,
Nos dias de apatia,
Tem sempre um lenço branco,
Para as lagrimas enxugar,
E uma taça de vinho,
Mania de comemorar!

Encontro de amigos!!!

Se encontrando...
Com as palavras,
Em um encontro marcado,
Um convite de um amigo,
Um amigo convidado,
Muitos amigos enredado,
Todos interligados,
Pensamentos e emoções,
Na mesma conexão,
Uma palavra apenas,
Muitas palavras falando,
Se imbricando na amizade,
No embalo da ternura,
Vamos escorregando,
De mãos dadas passeando,
Embalando lindos  sonhos,
Viajando nos desejos,
Voando nas asas da doçura,
E com uma taça de carinho,
Brindamos hoje amigos,
Amigos que hoje somos,
Amigos poematize-se,
A você nós  nos rendemos,
...Amig@s da POESIA!





Escreva-me!

Escreva-me...
Um bilhete qualquer,
Um rabisco em grafite,
Um desenho sem critério,
Numa tela de parede,
Em um espelho transparente,
Com um sorriso delirante,
Um olho lindo e vibrante,
Eu te quero sorridente,
Ver no teu sorriso  latente,
Daqueles que mostra os dentes,
Uma palavra doce,
E um coração palpitante,
Hoje dia do amigo,
Sem você corro  risco,
Isto é um palpite,
Até tua resta é um perigo,
Só pensar em tua sombra,
Me assusta e me assombra,
Poesia onde tu anda?





segunda-feira, 8 de julho de 2013

Código secreto

Vamos dialogando em pensamentos,
Uns tantos e uns menos,
Cada palavra dita,
É uma brisa no sereno,
Uns sonhos ameno,
Outros vibrantes e quentes,
Uma fogueira de sonhos,
Nas palavras ditas e benditas,
Pensadas e escritas,
Vamos entrando uma na outra,
E se divertindo,
Elas se entendem e brincam,
Só nós sabemos,
O que elas estão dizendo,
Elas, as palavras viram poemas,
Mas um dia esses  poemas,
Quem sabe viram beijo na arena,
E um abraço da poesia com o poema,
Viram laço da mesma fita,
Laço que vira fita,
Fita que vira poema.